segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Insuportável

É assim que me sinto hoje.
A incompreensão e a voluntariedade da incompetência humana extravazaram meu limite do suportável.
Estou cansada de ver pessoas discutindo a competência das outras (não no sentido de poder, mas de capacidade mesmo).
Tudo bem, essa última frase foi um dos eufemismos mais baratos que alguém poderia criar para competitividade, mas confesso que não vou perder meu tempo procurando palavras criativas.
Não hoje.
Hoje eu pensei o dia inteiro em como deve ser interessante a vida dos eremitas.
Não tem ninguém pra encher o saco, ninguém pra explorar sua sanidade, ninguém pra te proporcionar, conscientemente, o sentimento de solidão que todos nós evitamos...
Carinho, afeto, afago? Pelos meus últimos posts aqui acho que já deu pra notar minha desesperança nesse lado bom das pessoas...
Hoje eu quis, mais uma vez, uma passagem só de ida para Plutão. É o planeta mais distante do Sol, o último do Sistema Solar, mas principalmente, o mais distante da Terra.
Nunca me senti tão mal por ser humana como hoje.
Nunca me deparei tão de frente com minhas imperfeições, e com toda minha impaciência como hoje (e olha que eu já fiz isso váaaaaaaarias vezes).
Nunca quis ser um pássaro e voar para bem longe TANTO quanto eu quis hoje.
E agora acabo de perceber que hoje já é ontem.
Mas essa angustiante sobrevivência não cessa, e isso é o bastante para me cansar pelos próximos 30 anos.

2 comentários:

Eduardo Campagnoli disse...

Insuportável, como Kafka e Nietzsche.

Yuki disse...

nossa o.o