sexta-feira, 21 de agosto de 2009

*

Eu te amo.
Frase simple, sentimento complexo e incoerente.
Como amar pode ser um verbo conjugado em "única" pessoa?
Não venham me dizer de amor platônico.
Não quero ouvir (nem ler)...

2 comentários:

Eduardo Campagnoli disse...

Eu te amo.
Ontem, eu conversei com o Gui sobre esse negócio de amor. E cheguei ao seguinte pensamento: O amor materno, por exemplo, você pode brigar, vacilar e se ausentar com sua mãe; mas independente do que acontecer, seja essas coisas ruins ou seja coisas boas, você sabe que o amor dela vai estar por ali sempre que você querer e precisar. É nisso que me baseio, eu sei quem eu amo, quando sei que vou estar ali sempre pela pessoa, não porque quero algo dela em troca do meu amor, mas sim pelo simples fato deu gostar de estar perto, de olhar, de conversar... Eu te amo.

Rafael Chino disse...

ahgahuai!vou ter que usar o exemplo das asas dinovo?acho que amor é algo que surge da união de paixões intensas e firmemente crescentes!não sei se vai dar pra entender essa. Mas tipo, acredito que amor a primeira vista seria algo completamente raro. vi um filme chamando Maldita sorte(Good Luck Chuck) em que mostra algo parecido. mas tipo o ator principal acha a mulher da vida dele(detalhe toda a mulher queria transar com ele porque depois de transar com ele achava logo o par perfeito)ai, mesmo mostrando que um ama o outro ele acaba por sufocando ela com medo de ela encontrar um cara e a maldição dele o atinja denovo. O fato é, o amor é algo que se cultiva junto, e algo que cresce, não que surge por um simples beijo, ou um encontro. Pode acontecer, mas a sintonia teria que ser intensa. Seria como estar na mesma frequência emocional(não que um seja igual ao outro, longe disso). Pode-se levar anos para equalizar a sintonia(nenhuma referencia a musica, apenas mesma inspiração)e em segundos pode se distorcer tudo. O fato é, o amor é complexo, mas é algo que não se deve entender, apenas sentir.